[ editar artigo]

Liderança em Academias - Pontos Fortes

Liderança em Academias - Pontos Fortes

Se você é gestor, coordenador, ou gerente de vendas em academias, tenho uma pergunta para você: você foca em desenvolver seus pontos fortes ou seus pontos fracos?

E sua equipe?

Existe uma cultura de focar nos pontos fracos. Se você pensar nos seus filhos por exemplo, se eles trouxessem um boletim com uma nota 10 em matemática, notas 8 nas outras matérias e uma nota 5 em história, em qual matéria você focaria?
Você, provavelmente, daria um parabéns e um abraço pela nota 10 e teria uma longa conversa sobre a nota 5, tentando identificar quais são as dificuldades. Ai conversaria com a professora para entender melhor, e estudaria junto. 


Essa é uma cultura voltada para os pontos fracos. 


Talvez, você tenha um professor incrível em se conectar com os alunos e criar empatia, mas ele é desorganizado com os controles, não preenchendo a lista de frequência dos alunos, não entendendo direito o sistema, não anotando as metas dos alunos, etc. No que você vai investir mais sua energia e tempo? Você fala várias vezes para ele preencher os controles, dá treinamento, pede para alguém ajudar, faz coaching, e ainda, sem contar a energia que você gasta sozinho, reclamando e ficando indignado de como ele não consegue fazer algo tão simples. 
Não devemos ser passivos e desleixados com nossos pontos fracos. Mas é importante que a gente tenha muito mais foco em desenvolver nosso potencial do que tentar minimizar os pontos fracos. 
Tem gente que gasta tanta energia e passa tanto tempo buscando esconder ou arrumando justificativas para minimizar os pontos fracos que não sobra tempo e energia pra trabalhar nos pontos fortes. 
Outro dia desses, um gestor da área de administração me falou: “vou fazer educação física”. Eu perguntei: “você quer fazer por que você ama a educação física ou por que você quer resolver algum problema?”. Ele falou “não aguento mais esses professores me dando problema. Quando precisar, eu mesmo vou dar aula”. 
Eu não sei o quanto isso te parece absurdo ou não. Mas quero trazer uma reflexão: às vezes, nós escolhemos o caminho mais difícil e buscamos atacar nossos pontos fracos e não percebemos. Tudo o que esse gestor precisa, é trabalhar um dos seus pontos fortes que é a administração para conseguir gerenciar os talentos da empresa. Ele pode fazer processos seletivos maiores e mais eficientes, criando uma formação de lideranças; ele pode trabalhar mais o networking, mandando embora quem está trazendo mais problemas. Ele pode fazer TANTA coisa e, ao invés disso, ele tinha decidido gastar, no mínimo,  por 4 anos, 4 horas por dia para conseguir resolver o problema atacando pelo ponto fraco dele em vez de atacar pelo ponto forte. 


E não caia no engano de que você pode desenvolver seu talento sem ser intencional. Pergunte para qualquer atleta profissional quantas horas ele dedica na semana para desenvolver o talento pra alcançar aqueles resultados. Às vezes, vemos atletas pilotando um carro de Fórmula 1, e achamos que ele faz isso de maneira tão fácil que menosprezamos o tanto que ele investe. 
Às vezes, vemos a maior rede low cost crescendo absurdamente e pensamos: é um modelo de negócio fácil. Basta ter dinheiro e colocar um monte de equipamentos e sem atendimento que o resultado vem, e acabamos menosprezando toda a preparação necessária para criar e gerir esse negócio. 


Não busque desenvolver seus talentos de forma passiva. É preciso investir tempo, energia e dinheiro para desenvolver. 
Você tem talentos que são únicos e incríveis. Foque em desenvolver muito mais seus pontos fortes e das pessoas da sua equipe!

Até a próxima! 
 

Interação Fitness
Vitor Kawauchi
Vitor Kawauchi Seguir

Vitor Kawauchi, diretor da BRANDFIT Educação Física pela USP, MBA em Marketing, pela Madia Marketing School, MBA em Gestão de Negócios pela FGV, Coaching Integral Sistêmico, pela FEBRACIS e formação em Marketing Digital pela Udacity

Ler conteúdo completo
Indicados para você