[ editar artigo]

Exercício Físico, Cérebro e In(evolução)

Exercício Físico, Cérebro e In(evolução)

Por muitos anos, pesquisadores, por falta de tecnologia e principalmente pelo pensamento dualista, não associavam o exercício físico e as possíveis interferências no cérebro humano. Dualismo, tem por significado a divisão ser humano em corpo e encéfalo ou cérebro.

Certamente se conversarmos com filósofos, estes explicam de maneira muito clara o que é e foi o dualismo e até mesmo o pensamento cartesiano de René Descartes. Se pararmos por aí, nunca haveria relação corpo-cérebro. Mas não paramos, vejamos!

O que não se esperava, creio eu, é que a ciência evoluiu a tal ponto da descoberta que o exercício físico pode, sim, intervir de maneira positiva em nosso cérebro e consequentemente nos promover saúde e tratar doenças.

Isso pode ser exemplificado como, a melhora cognitiva de quem sofre do mal Alzheimer, causada por meio do exercício aeróbio, e o próprio tratamento do mal de Parkinson, melhorando os tremores ou o enrijecimento. Para justificar tais feitos, o que as neurociências têm mostrado é que existe a formação de novos neurônios, a chamada neurogênese, fazendo esta parte da plasticidade neuronal (adaptação do cérebro frente à estímulos).

Entretanto, será que nosso cérebro evoluiu e involuiu da mesma forma, com o passar de milhares de anos? Sofremos com este paradoxo? Certamente que sim.

Isso significa que passamos a exercer mais as atividades da parte da frente do cérebro, o córtex pré-frontal. Entretanto, a nossa motricidade foi deixada de lado, creio que sem querer obviamente, o que nos levou a não fazermos mais atividades como caçadas, fugas de animais perigosos, como fazíamos antes, tudo devido as evoluções tecnológicas (sem críticas à tecnologia de maneira alguma).

Perdemos com essa “tal” (in)evolução? Sim e não. Herdamos isso de nosso ancestrais. Não temos mais escape.

A dica de hoje é: sermos ativos de maneira cognitiva e motora. Mas de maneira sistemática. Assim, amenizamos as “perdas” e “ganhos”, e mantemos nossa “placa mãe” ou “HD” em dia.

Forte abraço!

Referência:
Raichlen DA, Alexander GE. Adaptive Capacity: An Evolutionary Neuroscience Model Linking Exercise, Cognition, and Brain Health. Trends Neurosci. 2017;40(7):408‐421. doi:10.1016/j.tins.2017.05.001

 

 

Interação Fitness
Dênis de Lima Greboggy
Dênis de Lima Greboggy Seguir

Professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, atuante no curso de Educação Física, Doutor em Biociências, amante das Neurociências

Ler conteúdo completo
Indicados para você